March 18, 2013   10 notes

De mãos dadas cortamos o vento
As nuvens como rajadas
O horizonte desaparece
A grama sob os pés

Tudo de bom pra nós
Tudo de bom pra nós

Não haverá dia como este
Não haverá tempo tão longe
Mas com este poema agora
quero passar boas vibrações

Tudo que há de amor
Tudo em que houver paixões

A certeza do nosso amor,
não recebido, mas sim entregue
nos dá a paz como estado

E o que irá nos amar
também será amado

O mundo ideal não existe
mas aqui, de mãos dadas
cortando o vento
somos crianças sozinhas

Fabricio Henrique - Inocência

July 12, 2012   5 notes

Pobre coitado quem não sente
Quem se acusa de culpado
Quem não é mais inocente
Felicidade de verdade não é errado

Pobre coitado quem não sorri
Com sol e vento
A felicidade à porta batendo
E você nem atendendo os chamados

Pena do coitado
Que tá pensando nos problemas que tem
Na semana que vem da que vem
Sem saber se amanhã vai haver

Felicidade é alguém
Que vem visitar de vez em quando
Deixa entrar quando vier
E virá sempre lhe ver

Fabricio Henrique - “A felicidade veio visitar”

July 11, 2012   11 notes

“ Minha memória não é curta para as coisas realmente importantes. Posso não lembrar alguma tabuada ou a conjugar algum verbo, mas lembro do dia em que mais me fez sorrir. Seu amor é bem-vindo e agradável, pois é amizade. Mas não posso omitir que minha capacidade de aguentar tácito minha vontade de cobrir-lhe de amor vai se acabando a cada vez que te encontro. E se desgasta. Amor é um lugar, não um objeto que se presenteia. E enquanto lhe espero em pé, suportando todo tipo de nevasca, chuva e sol forte aqui nesse amor que estou, te espero chegar pra me ajudar a atravessar esses tempos difíceis.
    Posso ter esquecido do que falamos ontem, mas ainda lembro da primeira conversa. Foi sobre coisa boba, sentados no pátio, faz um tempo já. E desde que você me mostrou que é como se fosse minha outra metade, que é capaz de me fazer gostar de uma música, nem meu estilo, só porque você a ouve, fui lá pro amor, que é um lugar deserto enquanto você não chega, pra te esperar.
    Mas ficar sozinho no amor é muito ruim. Por isso, aviso-lhe que este é uma espécie de ultimato. Passo dia após dia te vendo aí, no sol, feliz. Já foi até pra outro amor. Então, peço-lhe desculpas, mas minha força pra aguentar diversidades, como tinha animado no começo, já não existe mais. Sobrou apenas um resquício de esperança que guardo no coração. Coração é um recipiente, onde guardo minhas emoções. Ele já está cheio, não cabe mais nada e, sinceramente, já estou cheio também. Por meus pés estarem já cansados e calejados dessas longas caminhadas pelo amor, que é um lugar surpreendentemente grande, já vou indo embora. Só um aviso: Se você resolver aparecer, eu volto na hora. ”

Fabricio Henrique - “Enquanto isso, lá no amor…”

July 5, 2012   3 notes

Sorrio
E vejo o rosto de outras pessoas
Não o meu

Sempre me imagino assim
No rosto de outro
Nunca sou eu

Vejo outros sorrindo
Quando sorrio
E o sorriso parece-me o meu

Sorrio-te sempre
Sorrio outros sorrisos
Geralmente, é o meu sorriso no seu

Fabricio Henrique - “Sorrio-te”

July 4, 2012   4 notes

Hoje é dia de alegria
Tenho certeza disso
O sol no céu
A sombra do sol no chão
Por que não se alegrar com isso?

Adia a tristeza, vai
A preocupação tanto quanto
Que quanto mais se preocupa
Mais desgasta o sorriso

Não afaste a felicidade com música
Não feche o sorriso com poesia
O céu está limpo
Aproveita e limpa a alma dos vícios

Aproveita que amanhã
A felicidade e a alegria
Resolvem, de repente
Ir embora sem aviso

Mas Deus me livre disso!

Fabricio Henrique - “Sol, só isso”

June 27, 2012   27 notes

“ O tempo passa
E fica mais difícil
Dar bom dia com sorriso
Vai perdendo a graça ”

Fabricio Henrique - “Bom dia”

June 26, 2012   5 notes

Eu lembro que era muito bom te amar
Não lembro de tristeza naquele tempo
Não recordo pranto, de chorar não lembro
Era muito bom te amar

Com o tempo ficou melhor
Tinha você perto de mim
Lembro de sorrir quando você sorria
E você sorria quando olhava pra mim

Mas depois ficou estranho te amar
Tinha você ao meu lado
Mas não podia te beijar
Era estranho te amar

Você não podia saber do meu amor
Então guardei até não aguentar
A dor de guardar aumentou
Resolvi te mostrar meu amor

O amor é a máxima demonstração
De afeto e carinho, devia te alegrar
Por isso não sei explicar
A razão de você ter entristecido

Queria trazer paz mas desenquietei
Queria trazer felicidade mas entristeci
Queria cuidar de você mas maltratei
Queria te curar mas te machuquei

Agora te amar era muito ruim
Te amar e não ter esse amor de volta
Gerava revolta dentro de mim

Eu queria te cuidar
Queria te dar meu amor
Queria, junto de ti, sonhar
Mas você, meu amor, não deixou

Fabricio Henrique - “O pensamento contraditório”

June 22, 2012   3 notes

Tu és chuva
Que rega meu jardim
Me floresce

Tu és aplauso
Que alegra meu teatro
Me enobrece

Tu és benção
Na vida do perdido
Me enriquece

Teu sorriso
Avermelhado e tímido
Me amanhece

Se ficas triste
Fico triste também
Me entristece

Tu és flor-de-lis
Plantada no céu
Onde nasce e cresce

Dona do sorriso
Dos risos contidos
Sorrisos me esclarecem

No dia nublado
Na chuva mais forte
Há sorrisos que me alegrem

Fabrício Henrique - “Menina-sorriso”, dedicado à Mayara Silveira

May 27, 2012   5 notes

“ Minha vida às vezes parece uma comédia. Com direito a risadas no fundo a cada idiotice que faço, a cada mico que pago, a cada momento que passo a rir de mim mesmo só pra me tirar do tédio. E acredite, são muitas risadas… ”

Fabrício Henrique

May 23, 2012   1 note

Sentado aqui em cima
Eu vejo tudo lá embaixo
Tudo muito pequeno
Eu, na beira do penhasco
A olhar o céu

De bermuda e chinelo
No belo cenário
Na grama deitado
Presentes somente:
O silêncio, a lua e eu

E hoje é noite daquelas
Que a lua está bem perto
Inspirando as mais belas idéias
De certo está me perguntando:
Qual o nome dela?
Quem está te tirando o sono?

As estrelas são lindas
Já sumiram faz tempo
Mas persistem em enfeitar o céu
Um belo exemplo
De poesia

O sorriso se converte
Em lágrimas de saudade
Enquanto o astro celeste
Invade com brilho a alma
Do que pede já cansado
Eu, deitado

Absorvendo essa paisagem
E à luz das estrelas que vorazes
Consumem o interior de mim
E o enche com levezas
Deixa-me leve
Levado pelo momento

Aqui deitado
Decobri mais o universo
Que atado pelos laços
Da minha sozinha tentativa
De eternizar o tempo

Fabrício Henrique - “Estrelas na janela”

May 23, 2012   3 notes

“ Só queria mergulhar novamente em um amor. Dia desses deitei, olhei pras estrelas, como sempre faço quando busco achar aquilo que é maior que a mim, que a todos, o amor. Não o achei. O que havia mudado em mim a ponto de não mais amar? Era normal os dias se passarem arrastados, recheados de algum sorriso que eu tivesse achado lindo. Não mais. Tão bom achar a razão da vida em algo sem razão. Agora busco razão em tudo. Virei esse ser racional, que sempre sonhei em não ser. ”

Fabrício Henrique - “Não o achei”

May 21, 2012

“ Me peguei sorrindo
Numa tarde de domingo
Onde nada foi comum

Na noite anterior
Confusa você me mostrou
Que eu não era qualquer um

Ou estou preso pra sempre
Ou você me libertou
Ainda não sei exatamente

Por que é tão difícil entender sua mente? ”

Fabrício Henrique - “Beijinho”

May 19, 2012   2 notes

“ A vida ao seu lado tem sido mais fácil
Cada um dos teus sorrisos torna um pouco mais difícil
Deixar o seu abraço
Seu agrado
Se eu acabo
Sempre pensando em você.

Tão bom ser o motivo
Do seu sorriso mais sincero
Do seu olhar mais cativante
Dessa alegria que tanto espero
E quero
Que nunca vire saudade. ”

Fabricio Henrique - “Bloody Mary”, dedicado à Maria Clara Eckhardt (vida-louca-vida, abstive-me)

May 19, 2012   1 note

Já acostumei às paisagens
Como pinturas em tela
Passando na janela
Aqui dentro, parado

Qual pintura tomando vida
Te vejo colorindo
O monocromático espaço
Em sua volta
Com tinta cor de sorriso

As rimas agora vivem
Saíram do papel
Feito música que alegra
Como as nuvens lá no céu
Como a brisa aqui na terra

Girassol que enfeita a vida
Rosa sem espinho
Que Põe o sol
E nasce a lua cheia
De inspiração e suspiros

Fabrício Henrique - “Poesia em tela”

May 16, 2012   4 notes

“ Essa melodia me lembra você. Ao soar de cada nota do acordeon, eu te encontro sem você saber. Sabe aquele sonho que você tem, em que você voa bem alto sobre as nuvens e pode ver absolutamente tudo lá de cima, e depois acorda querendo que tivesse sido verdade? É o que eu sinto ao lembrar de você. Inexplicável êxtase é saber que sou o motivo de seu sorriso. Sua presença me acalma. Se os olhos são mesmo a janela da alma, sua alma é de grande beleza. ”

Fabricio Henrique - “Nossa música”